,1-- -->

Review: e os AirPods de segunda geração, valem mesmo a pena?

Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

Receba os artigos diretamente no seu email


AirPods de segunda geração com o estojo aberto

A Apple surpreendeu e lançou, em meados de março, o que ela chamou de segunda geração dos AirPods — seus fones de ouvido totalmente sem fio que explodiram em popularidade nos Estados Unidos e no mundo, deixando no passado o estranhamento inicial pelo seu design.

Essa é uma tendência normal para um produto tão bem pensado e profundamente funcional. Como falei em janeiro de 2017, em meu review da primeira geração, os AirPods são o produto mais bacana da Apple nos últimos anos. E acho que isso continua sendo verdade.

A questão aqui é: será que a segunda geração vale mesmo a pena? Muitos que já tiveram contato com o produto acham mais pertinente chamar essa de uma versão “1.5” dos AirPods originais, e eu não posso discordar muito disso.

Ainda assim, em suma, o que já era bom ficou ainda melhor.

Vídeo de unboxing e hands-on

Caso você não tenha visto, nós publicamos há algumas semanas um vídeo de unboxing e hands-on inicial dos novos AirPods em nosso canal do YouTube. Aqui está:

Design

Para uma pessoa que não conhece todos os detalhes do produto e/ou não é muito minuciosa, ao colocar os novos AirPods ao lado dos antigos ela vai dizer que são idênticos. E está quase certa.

Externamente, há apenas três mudanças no estojo de recarga dos novos AirPods: o LED que indica o estado da bateria antes ficava dentro do estojo, entre os dois fones, e agora está na parte de fora da case — de forma que seja visível enquanto o estojo está recarregando sem fio (falarei mais disso a seguir).

AirPods com estojo de recarga sem fio

Além disso, a dobradiça da tampa do estojo passou de um aço inoxidável brilhante para um alumínio fosco (provavelmente para não interferir com a sua bobina eletromagnética):

AirPods desmontados pela iFixit

AirPods de primeira geração à esquerda, novos à direita. | Foto: iFixit.

Por fim, na traseira do estojo, o botão de emparelhamento manual “subiu” um pouco e está agora centralizado.

De resto, visualmente, é tudo realmente igual. Absolutamente nada mudou no formato dos fones, em si.

Estojo de recarga sem fio

Uma das grandes novidades dos novos AirPods, curiosamente, é opcional. Não só isso, mas até mesmo quem não quiser atualizar para a nova geração dos fones pode optar por só comprar o novo estojo.

Sim, há um novo estojo de recarga sem fio, compatível com o padrão Qi. A Apple vende a nova geração dos AirPods com e sem ele (diferença de US, nos Estados Unidos, e de R0 no Brasil), e também vende o estojo solto por US lá fora ou — respire — R0 aqui.

Não há muito o que falar, aqui. A Apple instalou lá dentro do estojo uma bobina eletromagnética, o que permite que ele seja posicionado sobre qualquer base de recarga Qi para ser automaticamente alimentado. Daí a necessidade de mover o LED para a sua nova posição; fica fácil ver se o estojo está mesmo recarregando.

Mesmo o estojo com recarga sem fio ainda mantém a porta Lightning na sua parte inferior, ou seja, a pessoa pode alimentá-lo das duas formas. E sim, embora a recarga sem fio seja mais prática, ela ainda é consideravelmente mais lenta.

Chip H1 e bateria

A outra grande mudança nos AirPods de segunda geração é “invisível”, o que certamente dificulta o trabalho da Apple de vendê-los para quem já tem os s, por exemplo.

AirPods de segunda geração na diagonal com os fones saindo

O modelo original tinha em seu núcleo o chip W1, o mesmo utilizado para as funções wireless do Apple Watch. Nessa nova geração, a equipe de engenharia da Apple trabalhou num novo tipo de chip totalmente dedicado para headphones, o H1.

Com o H1, a Apple promete uma maior rapidez na conexão e troca entre dispositivos (que é, sim, sensível — mais do que a proporcionada pelo update de software liberado para os modelos de primeira geração), maior confiabilidade na conexão, latência mais baixa (ótimo para vídeos e jogos) e ganhos na autonomia de bateria — especialmente em conversações. A promessa é de 5h ouvindo músicas e até 3h falando com alguém pelos AirPods, além das 24h extras providas pelo estojo quando 100% recarregado.

A Apple diz que, com apenas 15 minutos de recarga dos fones dentro do estojo, o usuário obtém 3h de bateria para ouvir músicas ou 2h de conversação. Apesar disso, ainda acho que recarregar o estojo por completo (com ou sem fio) poderia ser mais rápido.

“E aí, Siri”

Outra boa novidade proporcionada pelo chip H1 é o comando “E aí, Siri” integrado nativamente aos AirPods.

Nesta nova...

geração, os microfones dos AirPods estão a todo momento aguardando o seu comando para chamar a Siri e pedi-la qualquer coisa — como alguma música ou banda específica, ligar para alguém, ou alterar o volume de reprodução.

O legal disso é que você não mais precisa dedicar um dos comandos de toque duplo nos AirPods para a Siri, o que era um desperdício.

Mulher curtindo os AirPods de segunda geração

Em meus testes, a Siri funcionou bem (dentro do pouco que esperamos dela), mas acho que as respostas poderiam ser um pouco mais imediatas. A culpa maior disso é que a Siri continua enviando todos os comandos para os servidores da Apple (não funciona sem internet), em vez de processá-los localmente no iPhone.

E isso é um ponto bastante negativo dos AirPods (tanto do modelo de primeira quanto do de segunda geração), já que se você optar, por exemplo, por correr com os fones e o Apple Watch sem conectividade, não conseguirá nem mesmo pedir para a Siri aumentar o volume.

O que não mudou

Absolutamente nada mudou na qualidade de som dos AirPods, o que não necessariamente é algo ruim. Não dá para esperar de earbuds tão pequenos e leves um som espacial e recheado de graves como os que obtemos com headphones circumaurais, mas na minha opinião o nível deles é bastante satisfatório.

As otimizações do chip H1 para o uso da Siri com os AirPods também proporcionaram uma pequena melhoria na qualidade do microfone deles, mas nem pense em usá-los para gravar um podcast, por exemplo.

Configuração dos AirPods

Configurar e usar os AirPods também continua tão fácil e intuitivo quanto antes. A janelinha popup que aparece no iPhone quando o estojo é aberto ao lado dele está ainda mais rápida, e de resto tudo continua muito bom, obrigado.

O que ainda falta

Em meu review da primeira geração, citei que o design dos AirPods não era “dos mais belos”. De lá para cá, esse visual certamente se solidificou e hoje em dia já não causa mais tanto estranhamento. É curioso, eu agora às vezes acho esquisito quando vejo alguém usando os EarPods (com fio).

Ainda assim, não quer dizer que seja um design perfeito/eterno. Não seria nada mal a Apple — em uma futura geração, quem sabe — diminuir a “perninha”, oferecer mais cores (ao menos uma preta também, como os recém-lançados Powerbeats Pro) e trabalhar numa forma de deixá-los ainda mais presos à orelha (usando um novo material menos liso na carcaça, quem sabe algo poroso como o novo Apple Pencil).

Uma grande decepção dessa nova geração é a ausência de novos gestos/ações nos fones. Tudo bem, a Siri agora pode ser toda comandada por voz, mas só; uma das coisas que usuários mais pedem, que é algum tipo de controle físico de volume nos fones, ainda não chegou. Só não faz falta, mesmo, para quem tem um Apple Watch e controla o volume por ele; mas a Apple precisa resolver isso.

Obviamente, além disso há outras futuras melhorias que serão muito bem-vindas na terceira, na quarta ou na quinta gerações em diante, incluindo: maior qualidade de som com cancelamento ativo de ruído, recarga super-rápida (principalmente do estojo), maior “reparabilidade”, resistência à água, etc.

AirPods desmontados pela iFixit

AirPods totalmente desmontados pela iFixit.

E sim: já há rumores indicando que poderemos ver uma nova geração até o final deste ano. Será?

Devo comprar?

Eu normalmente tenho um pouco de dificuldade de responder essa pergunta, mas desta vez é relativamente simples — considerando antes de mais nada, é claro, que os AirPods continuam sendo um produto caro (especialmente aqui no Brasil).

Se você nunca teve os AirPods nem nenhum fone de ouvido sem fio, vá sem medo! Você está comprando um produto ainda melhor do que já era, sob alguns aspectos, sem absolutamente nenhum “porém”.

Caso você já tenha os AirPods de primeira geração, o único cenário em que eu recomendaria trocá-los pelo de segunda é o da sua bateria já estar desgastada demais com o uso — algo comum a essa altura do campeonato entre os que compraram eles lá no lançamento original, há dois anos ou mais. Como não dá para trocar só a bateria deles, aproveite e já obtenha as poucas novidades desse novo modelo também.

Segunda geração dos AirPods

Os novos AirPods já estão disponíveis para compra no Brasil. Eis os preços:

  • AirPods com estojo de recarga sem fio: R.679
  • AirPods com estojo de recarga: R.349
  • Estojo de recarga sem fio: R9

Aos que já estão com os novos AirPods, comentem abaixo também o que estão achando deles. 😉


Fonte:MacMagazine