Review JBL Boombox

Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

Receba os artigos diretamente no seu email


A JBL Boombox é uma caixa de som Bluetooth que labareda a atenção, e não à toa foi considerada o melhor cimalha-falante portátil do mundo em 2018, pela Associação Europeia de Imagem e Som (EISA). S padrão, que remete aos aparelhos de som homônimos famosos nos anos 80, tem uma qualidade de som impressionante e ótimos índices de duração de bateria, além de um visual bastante interessante. Porém, ela parece ter sido construída muito mais para permanecer paragem do que para ser transportada com facilidade. Levando em conta que seu preço é muito salso (R$ 2.499 no mercado pátrio), é importante levantar todos os prós e contras antes de se resolver por investir no padrão. Caixa de som Bluetooth da JBL: veja modelos com preço justo no Brasil Design As boombox eram caixas consideradas portáteis nos anos 70 e 80. Eram aparelhos de som com uma alça e duas entradas para toca-fitas, famosas por serem posicionadas sobre os ombros do usuário. A Boombox da JBL funciona de forma semelhante: tem uma alça para facilitar o transporte e uma base de borracha para ser colocada sobre o ombro – trocando, obviamente, os toca-fitas por uma conexão Bluetooth. JBL Boombox remete às caixas dos anos 80, carregadas nos ombros (Foto: Marlon Câmara/TechTudo) A caixa tem um visual sógarbo – somente seis botões na troço frontal –, preto e com textura, o que a torna formosa e elegante. Além disso, ela conta com dois subwoofers, um em cada extremidade, que a deixam muito imponente. Parece com uma versão das atuais caixinhas de som da JBL, porquê a Flip 3 , mas muito maior – o padrão tem 49,5 cm de comprimento, 19,5 cm de largura e 25,4 cm de profundeza (a título de confrontação, a Flip 3 não chega a 17 cm de comprimento). Se for para ser disposto em qualquer lugar da mansão e permanecer, a Boombox é um ótimo apresto. Porém, se a teoria é carregá-la para lá e para cá, já fica mais complicado: a caixa pesa mais de 5 kg e tem uma construção muito firme e sólida. Isso a deixa com uma boa sensação de qualidade e duração, mas dificulta o seu transporte, se comparada com as caixinhas portáteis que têm feito sucesso ultimamente. JBL Boombox tem subwoofers nas duas extremidades (Foto: Marlon Câmara/TechTudo) Outro ponto grave é em relação à sujeira. A textura que cobre quase todo o aparelho acumula bastante poeira e pode permanecer manchada com facilidade, o que deixa ela com um visual de “velha” em pouco tempo. A base de borracha também tem uma negativa: em superfícies lisas e claras, ela acaba se soltando um pouco, deixando riscos pretos. Qualidade de som Ao vincular a caixa da JBL você já vai se surpreender: o som que o aparelho faz para mostrar que ligou impressiona logo de faceta, pela profundidade do grave. E você acabou de ligá-la! Esse é o grande diferencial da Boombox: a qualidade e performance das frequências mais baixas. Ao colocar uma música eletrônica ou um hip hop com graves muito destacados, é realmente de desabar o queixo. Detalhe do visual da JBL Boombox (Foto: Marlon Câmara/TechTudo) Nos demais quesitos de áudio, o dispositivo também é equilibrado. Por isso, a caixa funciona com qualquer tipo de música e estilo de forma muito satisfatória. S volume também é muito bom, suficiente para municiar uma sarau pequena, com muro de 20 pessoas. Com um pormenor: ela começa a distorcer o som quando se alcança os pontos mais altos do volume. Para resolver a questão da distorção, porém, o subalterno conta com um modo envolvente extrínseco, que dá um lucro na potência e nos graves, melhorando a qualidade dos volumes mais altos. Assim, caso seja necessário colocar a caixa para tocar em qualquer lugar mais barulhento, basta selecionar a opção – que fica na troço de grave do padrão – e aproveitar a função para poder aumentar mais o volume sem tanta perda de definição. Parte subalterno da JBL Boombox tem base de borracha para os ombros (Foto: Marlon Câmara/TechTudo) Funcionalidades A Boombox é um aparelho muito simples, só conectar e tocar, sem grandes complicações. Mas ela possui algumas funcionalidades extras muito interessantes. A debutar pelo roupa de ser à prova d’água: um aparelho desse tamanho e com essa qualidade poder ser usado dentro da piscina, por exemplo,...

é um baita diferencial. S Bluetooth também funciona com sublimidade, conectando rapidamente e pareando de repentino com os dispositivos. Além disso, por ter tanto ingressão quanto saída Bluetooth, ele pode servir porquê um powerbank para carregar celulares e iPods, por exemplo. É um ótimo uso da enorme bateria de 20.000 mAh, que ajuda a música continuar rolando até se a pujança do dispositivo que está tocando debutar a findar. Um ponto negativo, porém, é a pouquidade do cabo USB para fazer uso da funcionalidade – pelo preço do aparelho, era bastante sucoso que ele trouxesse os fios necessários já na caixa. Boombox tem ingressão e saída USB e pode funcionar porquê powerbank (Foto: Marlon Câmara/TechTudo) Outro ponto dissemelhante e legítimo para se considerar é o dos já citados modos de ambientes interno e extrínseco. Quando a caixa estiver sendo usada dentro de mansão ou em envolvente menor e mais taciturno – ou seja, tocando em volumes mais moderados – o modo envolvente interno é realmente ideal: o áudio fica mais equilibrado nas suas frequências. saiba mais Caixa de som Bluetooth por até R$ 300: veja modelos à venda no Brasil Caixa de som à prova d’água da JBL: conheça modelos à venda no Brasil JBL Flip 4 vs Charge 3: compare as especificações das caixas de som Porém, caso você esteja em um lugar descerrado, lugar com muitas pessoas ou muito estrondo, existe a opção do modo extrínseco. Ele dá um lucro principalmente no grave da caixa, para o som ser “sentido” no envolvente mesmo que esteja difícil escutar detalhadamente as músicas. Isso permite também aumentar mais o volume sem distorcer tanto o áudio. Basta pressionar um botão na troço subalterno do resultado e a mágica já acontece. S restante das funcionalidades da caixa está em um subalterno extra: o app JBL Connect. Com o programa, disponível para Android e iPhone ( iOS ), dá para escoltar o nível da bateria da Boombox (o que não pode ser feito no próprio aparelho), além da possibilidade de parear o aparelho com outros produtos da JBL – tanto no modo sarau, que permite até 100 caixas simultâneas, porquê no modo estéreo, que divide o som recta e esquerdo entre duas caixinhas. Qual é a melhor caixa de som Bluetooth? Comente no Sórum do TechTudo Boombox da JBL traz alça para ser carregada com mais facilidade (Foto: Marlon Câmara/TechTudo) Bateria S padrão da JBL promete uma duração de 24 horas de música mas, por incrível que pareça, nos testes o aparelho durou até um pouco mais. Principalmente quando é usado em um volume moderado para subalterno, e com músicas que não exigem tanto do seu grave, pode ter certeza que ela vai persistir o tempo prometido tranquilamente. Uma vantagem, que ajuda a bateria a perseverar mais, é que ele desliga involuntariamente quando fica muito tempo sem tocar. Para quem gosta de ouvir música para dormir, por exemplo, é magnífico: pode ter certeza que ele vai estar desligado e sem ter gastado muita vigor durante a noite. S ponto ruim da bateria é o tempo que ele morosidade para carregar: murado de seis horas. É justo, visto o tamanho da caixa e o quanto ela fica ligada, mas ainda assim é um tempo considerável. JBL Boombox pesa 5,5kg e pode ser carregada nos ombros (Foto: Marlon Câmara/TechTudo) Custo-obséquio S preço da JBL Boombox no Brasil chega a assustar: R$ 2.499. Um valor até dez vezes maior que outros aparelhos mais modestos até da mesma marca. Para quem procura uma caixinha de som Bluetooth com som lítico para ouvir suas músicas do celular, é sensato expressar: esse padrão é um grande excesso. Ele é voltado para audiófilos, quem procura subida definição de som, ou para alguém que queira fazer pequenas festas e animar com somente um dispositivo de som Bluetooth. Considerando a tecnologia envolvida, a qualidade do áudio e a própria construção da caixa, o preço é até válido. Mas dificilmente o usuário convencional vai estar procurando por tudo isso – e aí uma Flip 3, por exemplo, pode ser uma pedida muito melhor e em conta, além de ser muito mais prática e fácil de levar para qualquer lugar. Agora, se você estava detrás da “melhor caixa de som do mundo”, porquê ela foi eleita em 2018, pode vir que não vai se arrepender.
Fonte:Techtudo