,1-- -->

Sonda interestelar pode ser lançada em 2030 para observar além do Sistema Solar

Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

Receba os artigos diretamente no seu email






Um grupo de pesquisadores da NASA quer explorar mais o espaço para além da área de influência do Sol. Uma região que é tratada quase exclusivamente em produções de ficção científica poderia se tornar objeto de estudos mais profundos a partir de 2030, se a NASA topar essa ideia ousada.

O físico Pontus Brandt explicou ao site Wired um pouco sobre o projeto, que pretende utilizar tecnologia atual para dar “o primeiro passo explícito da humanidade para o espaço interestelar”. Há um ano, o Johns Hopkins Applied Physics Laboratory, que Brandt integra, faz estudos de uma sonda interestelar.

Em 2021, a equipe planeja submeter o projeto à NASA para ser incluído na lista de missões prioritárias para os 10 anos seguintes. O projeto está bastante adiantado, mas a equipe acredita que ainda faltam algumas evoluções no campo da engenharia.

“É hora de termos uma visão que possamos realmente executar”, observou Ralph McNutt, que também trabalha no laboratório de física aplicada. “Até agora, as pessoas não pensaram nisso como um problema de engenharia. Elas ficam chutando uma latinha enquanto caminham na rua, dizendo, ‘Bem, nós só precisamos de um pouco mais de tecnologia’”, acusou.

O Sol como “estilingue”

Na heliosfera, partículas do Sol dominam sobre partículas de outros sistemas (Foto: NASA)

A ideia da missão é lançar uma nave usando algum objeto bastante massivo, talvez Júpiter ou quem sabe o próprio Sol, como “estilingue” para alcançar velocidade superior a 160.000 km/h. A opção pela estrela traz algumas complicações extras, como garantir que a estrutura aguente altas temperaturas, já que precisará se aproximar bastante da estrela para alcançar a maior velocidade possível.

Até hoje, a sonda Parker Solar Probe foi o objeto artificial que mais se aproximou do Sol. Mas a sonda interestelar precisaria chegar ainda mais perto. O desafio é encontrar o ponto em que a aproximação seja segura sem que o escudo de proteção seja pesado demais de modo a reduzir a velocidade do veículo.

Se tudo funcionar, a expectativa é que essa sonda se distancie, em 50 anos, a 150 bilhões de quilômetros da Terra, o equivalente a 1.000 vezes a nossa distância até o Sol. A sonda Voyager 1, um dos únicos objetos que construímos que...

chegou ao espaço interestelar, atualmente está a 13 bilhões de quilômetros da Terra, e levou quase 40 anos para chegar a essa distância.

Mistérios do espaço sideral

Via Láctea sobre o VLT: que mistérios podemos descobrir para além da heliosfera? (Foto: B.Tafreshi/ESO)

Além da diferença na velocidade, a sonda a ser lançada em 2030 também estaria bem mais preparada para observar o espaço interestelar do que a Voyager 1 e sua “irmã” Voyager 2, que começou a sair do Sistema Solar no ano passado. A NASA deve equipar o novo veículo com instrumentos mais adequados; afinal, as Voyager foram construídas para analisar planetas, não o espaço entre as estrelas.

E, mesmo que ambas continuem a enviar dados para a Terra, elas estão levantando mais dúvidas do que solucionando problemas. Um deles é sobre a heliosfera, uma espécie de bolha na qual todo o Sistema Solar está inserido. “Estamos posicionados em uma bolha, tentando entender qual é a sua forma, o que é muito difícil”, disse Brandt. “A singularidade de uma sonda interestelar é que podemos ir lá fora e tirar uma foto dessa nossa pequena bolha habitável no espaço”, justificou.

Para além da heliosfera, está a heliopausa, onde o vento solar é parado por conta da influência de muitas outras partículas de todo o resto do universo. Essa transição da bolha da heliosfera para a helipausa e, por fim, o espaço interestelar, é um dos maiores mistérios da humanidade.

Porém, claro, a sonda interestelar não estudaria apenas essa região do espaço. Outros objetos de estudo incluem a nuvem de poeira interplanetária, que pode ter pistas sobre a formação do Sistema Solar, e as luzes infravermelhas de galáxias mais antigas, que são bloqueadas dentro da heliosfera.

Além de numerosos outros mistérios que desconhecemos hoje, Brandt diz ser impossível imaginar o que uma sonda interestelar bem equipada poderia encontrar, e acredita que a missão pode ser crucial para compreendermos o universo e nosso lugar na existência. Mesmo assim, o físico observa que não há ainda garantia alguma de que a missão seja aprovada. Teremos que esperar para ver!

Fonte: Wired





Fonte