,1-- -->

The Handmaid’s Tale | O que esperar da 4ª temporada e da revolução de June

Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

Receba os artigos diretamente no seu email



Atenção: esta matéria contém spoilers de The Handmaid’s Tale!

Depois de quase dois anos de espera, finalmente a temporada 4 de The Handmaid’s Tale tem data de lançamento no Brasil: 2 de maio, no Paramount+. A série estreia oficialmente no dia 28 de abril nos Estados Unidos, mostrando como está a luta de June (Elizabeth Moss) para derrubar Gilead e poder voltar ao lado do marido e da filha, além de tentar trazer o mundo de volta ao normal.

A promessa é de uma grande revolução, finalmente começando a colocar um fim em todo aquele terror que virou os Estados Unidos. Mas antes de conferir os novos episódios e descobrir o que vai acontecer, o Canaltech preparou um guia para você se lembrar das últimas temporadas e conferir o que podemos esperar da nova. Além disso, trouxemos trechos de uma entrevista com o ator Bradley Whitford, que interpreta o Comandante Lawrence na trama.

Imagem: Divulgação/Hulu

Premissa

Se você chegou nesta matéria, provavelmente já sabe do que se trata a série, mas não custa relembrar, não é mesmo? The Handmaid’s Tale é baseada em um livro homônimo de Margaret Atwood e se passa no que era os Estados Unidos, que agora se chama República de Gilead. Lá, cristãos fervorosos deram um golpe de estado e transformaram o país em um regime totalitário com uma ditadura que segue os preceitos da Bíblia, mas de forma praticamente literal e distorcida, para não dizer maldosa.

Basicamente, na República de Gilead, o objetivo do governo é fazer com que as pessoas procriem mais e mais, uma vez que o país estava enfrentando uma queda nas taxas de natalidade. Então, a população foi divida por hierarquias, focando em duas principais: a dos Comandantes e suas esposas inférteis — ainda que em muitos dos casos o homem é quem era infértil, mas eles não queriam assumir —; e as aias, que se tornam escravas dessas famílias e “servem” apenas para a procriação.

Imagem: Divulgação/Hulu

As aias são monitoradas constantemente pelas famílias e estupradas durante o período fértil para que possam gerar filhos a esses casais, em um ciclo que se encerra apenas quando o objetivo for cumprido. A protagonista June é uma das aias, mas a mais problemática de todas para aquele regime, simplesmente porque nunca abaixou a cabeça para os líderes e está sempre criando planos para conseguir escapar e resgatar a sua filha, que foi adotada por outra família.

Depois de muitos episódios de sofrimento difíceis de assistir, finalmente vemos o perigoso esforço de June trazendo resultados, além de um pouco de esperança para a quarta temporada. Então, o que esperar dos novos episódios?

Revolução

A terceira temporada chegou ao fim com a grande revolução prestes a acontecer, mas com a ajuda de uma pessoa. Nos últimos episódios, vimos que o Comandante Lawrence concordou em ajudar June a tirar os bebês de Gilead, mas acabou desistindo do plano, preocupando o andamento da fuga. Em entrevista ao Canaltech, Bradley Whitford conta que o personagem é perigoso, cheio de contradições e que, no fim, acaba pensando na própria salvação. A relação dele com June também está sempre mudando, em alguns momentos parecendo que está disposto a ajudar; em outros, pronto para negar qualquer colaboração que possa colocá-lo em risco.

Imagem: Divulgação/Hulu

“Ela ajudou ele quando a sua esposa morreu, mas ele a abandonou durante a luta da fuga das crianças”, conta Whitford. “Nosso showrunner, Bruce Miller, diz que quando alguém não é interessante para Lawrence, eles estão mortos. Bruce também disse que ele é fascinado por pessoas que são interessantes e tem uma fascinação particular pela June”, completa o ator.

Whitford ainda diz que o seu personagem não entende completamente que ele é praticamente liderado por June, que passou de vítima para a organizadora de uma revolução, com uma posição de liderança. O ator reconhece a misoginia instaurada no personagem, que está sempre tentando “testar” June...

para descobrir se ela é uma pessoa sentimental ou se realmente está disposta a batalhar pelo que acredita, como uma verdadeira guerreira. Lawrence sempre se mostra incomodado por ela estar na liderança, o que pode acabar prejudicando os planos.

Guerra

Em coletiva de imprensa, Elizabeth Moss conta que, finalmente, o confronto entre June e Lydia (Ann Dowd) vai acontecer, depois de três temporadas com as personagens trocando farpas. Bruce Miller também diz que Lydia é completamente obcecada por June, principalmente pela heroína ser tão motivada em destruir parte do mundo que a vilã ajudou a construir, uma vez que Lydia é a controladora das aias.

“Mesmo que June e Lydia sejam inimigas nessa história, elas estão inextricavelmente ligadas. Elas passam muito tempo pensando uma na outra e no que a outra está fazendo. Então, é fascinante ver duas pessoas que gostariam de se livrar uma da outra, mas que estão conectadas o tempo todo”, comenta o showrunner.

Imagem: Divulgação/Hulu

Finalmente os refrescos

Miller conta para os fãs que, finalmente, seremos recompensados depois de assistir a tanto sofrimento na República de Gilead. “Nesta temporada, estamos entregando as coisas que preparamos e eu acho que vai ser muito satisfatório. Todas as pessoas envolvidas sabem que pode ser difícil, principalmente nos momentos em que não se via um fim real à vista para o sofrimento de cada um dos personagens”, conta. “Nesta temporada, não ficamos esperando. Era hora de as coisas acontecerem. E eu acho que isso me fez sentir como ‘uau, você pode ver que as coisas aconteceram, mas também pode ver um programa interessante’. Isso me faz pensar que ainda há muita vida nessa história”, desabafa o showrunner.

The Handmaid’s Tale estreou apenas três meses depois da posse de Donald Trump na presidência dos Estados Unidos e, coincidentemente, a quarta temporada será um “espelho” da era pós-Trump, segundo os criadores, com as pessoas esperando as coisas voltarem ao normal, ou seja, com o fim da ditadura de Gilead.

A nova temporada da série será movida à raiva, sentimento impossível de não ter após assistir às atrocidades dos primeiros episódios. Isso já pode ser visto no trailer, que mostra a protagonista declarando Guerra a Gilead. No teaser, June diz: “Eu não posso descansar. Minha filha merece melhor. Todos nós merecemos melhor. A mudança nunca vem fácil. A guerra não vai se vencer sozinha”.

Imagem: Divulgação/Hulu

Elizabeth Moss como diretora

Além de protagonista, Elizabeth Moss também cumpre um papel importante na direção da nova temporada. Bradley conta que o trabalho dela é uma das forças criativas mais impressionantes com quem ele já trabalhou, dizendo que mesmo antes da direção ela sempre fez questão de explorar o seu lado criativo. “Ela está sempre ciente de cada rascunho, corte e canto da história. Ela passava os domingos com qualquer pessoa com quem estava dirigindo planejando lista de filmagens. Ela realmente é incrível. A atmosfera no set é completamente solta”, revela.

O que mais esperar da quarta temporada?

Os criadores da série contam que a nova temporada de The Handmaid’s Tale será nômade, diferente das temporadas passadas em que se passavam nas casas do Comandante Waterford (Joseph Fiennes) e do Comandante Lawrence. Os novos episódios irão acompanhar June e as outras aias em fuga, com o plano as levando para qualquer lugar, sem um cenário fixo.

A nova temporada da série vai contar com pelo menos uma nova personagem: McKenna Grace. Conhecida pela sua atuação na série A Maldição da Residência Hill, a jovem irá interpretar Mrs. Keyes, a esposa muito mais nova de um comandante. A sua personalidade é descrita como subversiva e com a habilidade de trazer a calmaria em frente ao caos.

A 4ª temporada de The Handmaid’s Tale vai contar com 10 episódios e chega no dia 4 de maio aos assinantes da plataforma de streaming Paramount+.

Com informações de: Elle.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.



Fonte